Visite o canal do Prof Ronaldo no Youtube

Loading...

sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Porque todo número não nulo elevado a zero resulta em UM



Seja "m" e "a" numeros naturais maiores que zero ( m>0 e a >0 ) e 
que a seja o expoente de m ( mª )

suponha que se faça nescessario a divisão de mª por mª

teremos :

mª / mª

pela hipotese, temos que todo numero divisivel por ele mesmo é igual a um.

obteremos:

mª / mª = 1

Aplicando a propriedade da potenciação ( divisão de potencia de mesma base -> " repete-se a e subtrai seus expoente " 

obtemos:

mª¯ª = 1

m° = 1

c.q.m

Planeta Hd 80606b aumentou 700 graus em 6 horas


Tão temidas na Terra, as mudanças climáticas acontecem de forma natural e absolutamente espetacular a cada três meses em um planeta fora do Sistema Solar: quando, em razão de sua órbita, se aproxima de sua estrela, ele aquece nada menos que 700 graus em apenas seis horas. Pela primeira vez, o surpreendente aquecimento foi testemunhado por especialistas e pode servir para compreender características atmosféricas em momentos de aquecimento, revela matéria publicada nesta quinta-feira no jornal O Globo.

O HD8606b é um gigante de gás com um tamanho quatro vezes superior ao de Júpiter, que orbita ao redor de uma estrela situada a 200 anos-luz da Terra. Depois de analisarem as informações proporcionadas pelo telescópio Spitzer, da Nasa, e medir a luz infravermelha irradiada pelo planeta, os cientistas conseguiram determinar que sua temperatura passou de 527 graus Celsius para 1.277 graus Celsius em um período de seis horas.

O HD8606b tem uma temperatura média abrasadora de 525 graus Celsius, mas, as variações são extremas, como revelaram as medições.

- Esta é a primeira observação de clima tão alterado em um planeta que não pertence ao Sistema Solar - afirmou Gregory Laughlin, principal autor do estudo publicado na edição de ontem da revista científica britânica "Nature".

Os efeitos desse enorme aumento de temperatura poderiam ser descritos como uma explosão. À medida que a atmosfera de aquece e expande, produz fortes ventos, da ordem de 18 mil quilômetros por hora. Os ventos, devido à rotação em órbita, formam tormentas em grande escala, que só começam a serenar quando o planeta se afasta de seu sol.

- É totalmente insólito. E totalmente inabitável. Numa galáxia de planetas inabitáveis, este se destaca por ser completamente inóspito para a vida - descreveu Laughlin. 

No ano da Astronomia, a SANTA SÉ homenageia GALILEU GALILEI

                                            



A Santa Sé considera que, após a reabilitação de Galileu Galilei, por parte de João Paulo II, em 1992, os tempos "estão maduros" para uma nova revisão desse personagem histórico, "que a Igreja deseja honrar" – disse, nesta quinta-feira, o presidente do Pontifício Conselho para a Cultura, Dom Gianfranco Ravasi.
O arcebispo fez tal afirmação durante a apresentação, no Vaticano, das iniciativas previstas pela Santa Sé, para o Ano da Astronomia e para o Congresso Internacional sobre Galileu Galilei (Pisa, 1564-Florença, 1647) que se realizará em Florença, centro-norte da Itália, de 26 a 30 de maio próximo.
O prelado recordou que o Ano da Astronomia − convocado pelas Nações Unidas, para comemorar o quarto centenário das primeiras descobertas astronômicas – representa para a Santa Sé, uma importante ocasião de aprofundamento e diálogo sobre a astronomia e o astrônomo toscano, Galileu Galilei.
"Galileu foi o primeiro homem a olhar o céu através de um telescópio – sublinhou Dom Ravasi. Ele descortinou para a humanidade, um mundo, até então, pouco conhecido, ampliando os confins do nosso conhecimento e obrigando a uma releitura do "livro da natureza", de outra perspectiva. A Igreja deseja honrar Galileu, gênio inovador e filho da Igreja" – disse o prelado.
O arcebispo ressaltou que "os tempos estão maduros para uma revisão do astrônomo toscano e de seu caso". E recordou quando, em 1981, João Paulo II criou a comissão para reexaminar o processo de Galileu Galilei, sublinhando a coragem dessa comissão, no reconhecer os erros no julgamento do astrônomo; erros induzidos pela incapacidade de separar a fé, de uma cosmologia milenar, que levou os juízes a acreditarem que aceitar a revolução coperniciana faria vacilar a tradição católica e, portanto, tais ensinamentos deveriam ser proibidos.
O prelado acrescentou que "por esse erro de julgamento subjetivo", Galileu sofreu e muito. "Hoje – argumentou – num clima mais sereno, podemos olhar para o astrônomo e reconhecer que suas pesquisas científicas não são incompatíveis com a fé cristã. Por isso – prosseguiu – Galileu Galilei merece hoje, todo o nosso apreço e gratidão."
Por ocasião dessas comemorações, a Santa Sé pretende reeditar as atas do processo contra Galileu Galilei, para recordar que o Papa Urbano VIII nunca assinou a condenação da Inquisição contra o cientista italiano, segundo revelou, recentemente, Dom Ravasi.
Entre as iniciativas, destaca-se o congresso que se realizará no dia 26 de fevereiro, na Pontifícia Universidade Lateranense, de Roma sobre o tema "1609-2009. 400 anos de "Sidereus Nuncius", de Galileu".
De 26 a 30 de maio, se celebrará em Florença, o Congresso Internacional de Estudos intitulado "O caso Galileu. Uma releitura histórica, filosófica e teológica", organizado pelo Instituto Stensen, dos Jesuítas. De 21 a 26 de junho terá lugar um curso de estudos organizado pelo Observatório Astronômico Vaticano, anualmente, desde 1986. E durante todo o mês de outubro, estará aberta, no Vaticano, a exposição "Galileu 2009, fascinação e empenho de um novo olhar sobre o mundo. A 400 anos da primeira observação com telescópio".
De 15 de outubro de 2009 a 5 de janeiro de 2010, estará aberta ao público nos Museus Vaticanos, a mostra "Astrum 2009: o patrimônio histórico da astronomia italiana de Galileu até hoje", que incluirá livros, arquivos e instrumentos procedentes do Observatório Astronômico Vaticano e dos próprios Museus Vaticanos, assim como o manuscrito "Sidereus Nuncius", de Galileu, conservado na Biblioteca Nacional Central, de Florença.
Galileu Galilei foi condenado pelo Tribunal da Inquisição, por ter aderido à teoria de Nicolau Copérnico, que afirmava que era o Sol e não a Terra, o centro do Universo, contrariamente ao que se acreditava na época.
No dia 31 de outubro de 1992, a 350 anos da morte do astrônomo, João Paulo II reabilitou solenemente sua memória e criticou os erros dos teólogos da época, que ensejaram a condenação de Galileu e não desautorizaram expressamente o tribunal que o sentenciou.
Num discurso de 13 páginas, lido pelo Papa Wojtyla, ele definiu Galileu Galilei como "um físico genial", "que se mostrou mais perspicaz na interpretação das Escrituras do que seus adversários, teólogos". (AF)

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Você sabe o que são números Felizes?




Escolha um número natural maior do que 1 e calcule a soma dos quadrados dos seus algarismos. Pegue o número encontrado e repita a operação, calculando a soma dos quadrados dos seus algarismos. Repetindo esse processo sucessivamente, quando a seqüência calculada termina em 1, dizemos que o número submetido ao processo é um número "feliz", caso contrário, ele é chamado de número "triste". Por exemplo, pode-se verificar que o número 4.599 é feliz fazendo as seguintes contas: 4²+5²+9²+9²=203; 2²+0²+3²=13; 1²+3²=10; 1²+0²=1.

Uma vez encontrado um número feliz, outros tantos também podem ser obtidos observando-se a seqüência usada no processo de verificação da "felicidade" do número. Por exemplo, no caso de 4.599, a seqüência de verificação nos garante que os números 10, 13 e 203 também são felizes.

Qualquer permutação dos algarismos de um número feliz irá gerar outro número feliz, como é o caso, por exemplo, de 9.549, obtido a partir de uma permutação dos algarismos de 4.599. Além disso, a introdução de zeros em um número feliz sempre conduz a um outro número feliz, como são os casos dos números 45.990, 459.900, 4.599.000 etc. Essa observação nos delega a certeza de que existem infinitos números felizes.

O leitor poderá verificar por conta própria que os números tristes não têm um ponto final fixo, viajando eternamente em torno do mesmo ciclo: 4, 16, 37, 58, 89, 145, 42, 20, voltando ao 4.

Encontrar novos números felizes é um bom exercício para o raciocínio, mas tem gente levando a sério demais o que não passa de uma brincadeira para os matemáticos. No início deste ano, um numerólogo afirmou em entrevista que, diferentemente de 2003, que foi feliz do ponto de vista numerológico, o período de 2004 a 2007 será extremamente desfavorável. Tudo nos leva a crer que a análise pessimista se fundamenta na definição de números felizes e tristes, já que, sob esse ponto de vista, 2003 e 2008 são números felizes, e, de 2004 a 2007, temos um intervalo de números tristes.

ZERO é Par?


Zero é par pois todo número inteiro que pode ser escrito na forma 2n (n inteiro), ou seja, um número inteiro será par se for o dobro de um número inteiro.


Logo, como o dobro de 0 (zero) é 0 (zero).

Em geral alunos concluem que 0 não é par, com os seguintes argumentos:
-  Associam o conceito par, a ideia de casal, logo, 3 faz par com -3, 2 faz par com -2, 1 faz par com -1 e zero não faria par com ninguém.  Mas como vimos acima está não é a definição de número par.

domingo, 11 de janeiro de 2009

Estrelas Jovens nos Limites de um buraco negro



Os astrônomos encontraram estrelas jovens em partes da via láctea onde consideravam sua presença impossível, como nos limites do buraco negro situado no centro da galáxia, informou nesta segunda-feira a Associação Astronômica dos Estados Unidos.

- Literalmente avistamos estas estrelas no ato de suas formações - disse Elizabeth Humphreys, do Centro Smithsonian-Harvard para Astrofísica, durante uma apresentação na reunião da associação em Long Beach, na Califórnia.

O centro da Via Láctea está sujeito a enormes forças gravitacionais movidas por um buraco negro cuja massa é 4 milhões de vezes maior do que a do Sol. Esses puxões de gravidade deveriam desagregar as nuvens de moléculas em que surgem as estrelas.

No entanto, os astrônomos de Harvard-Smithsonian e do Instituto Max Planck para Radioastronomia, que empregaram o radiotelescópio interferométrico de 27 antenas de Socorro, no estado do Novo México, identificaram duas proto-estrelas localizadas a poucos anos luz do centro galáctico.

- Sua descoberta mostra que as estrelas, de fato, podem se formar muito perto do buraco negro no centro da Via Láctea - assinalou Humphreys na apresentação.

Essa é uma região misteriosa, oculta à pesquisa humana pelo pó e o gás espaciais. A luz visível não escapa do buraco e por isso os astrônomos devem usar outras freqüências como luz infravermelha e o rádio, que podem penetrar mais facilmente a nuvem de gás e pó cósmico.

Humphreys e seus colegas buscaram os sinais de rádio que indicam a presença das proto-estrelas ainda envolvidas em suas "cápsulas" de nascimento, e encontraram duas delas localizadas a distâncias entre sete e dez anos luz de distância do centro galáctico.

Combinadas com outra proto-estrela identificada anteriormente, os três exemplos mostram que há formação de estrelas perto do núcleo da Via Láctea.

Estas descobertas indicam que o gás molecular no centro da galáxia deve ser mais denso do que o calculado até agora.

Uma densidade mais alta facilitaria a gravidade de uma nuvem molecular a superar a atração exercida pelo buraco negro, permitindo não só a ela se manter agregada, mas também a se aglomerar para formar estrelas novas.

Revista caracteristicas de nossa Via Láctea


 Cientistas americanos descobriram que a Via Láctea pesa 50% a mais do que era estimado antes e gira em órbita a 965.600 km/h, quase 161.000 km/h mais rápido do que se considerava anteriormente.

A equipe, formada por pesquisadores do Observatório Nacional de Rádio e Astronomia dos EUA e do Centro de Astrofísica Harvard-Smithsonian, apresentou nesta segunda-feira os resultados de sua pesquisa em reunião da Sociedade Americana de Astronomia em Long Beach, na Califórnia.

Eles explicam que, por ser mais veloz e pesada, a galáxia tem maior força gravitacional, o que significa que são maiores as possibilidades de ela colidir com a galáxia de Andrômeda, ou com outras, menores e mais próximas.

- Acabou a ideia de a Via Láctea como irmã menor de Andrômeda em nosso grupo local - afirmou o cientista Mark Reid, do Centro de Astrofísica Harvard-Smithsonian.

O fato de as observações científicas terem sido feitas de o interior da galáxia dificulta as medições e o estudo de sua estrutura, algo mais simples para o restante de galáxias, das quais se pode obter uma imagem geral.

Até agora, o valor das magnitudes da Via Láctea era calculado por medições indiretas. No entanto, os radiotelescópios VLBA da Fundação de Ciência Nacional dos EUA registram imagens de alta qualidade e medidas diretas de distâncias e movimentos que não dependem de outras propriedades, como o brilho.

Nas imagens da galáxia captadas pelos radiotelescópios, os cientistas localizaram regiões de intensa formação de estrelas nas quais moléculas gasosas aumentam as emissões de rádio.

Estas áreas servem como marcas brilhantes para o radiotelescópio, o que permitiu determinar os movimentos tridimensionais dessas regiões, que, em sua maioria, seguem um caminho circular, na medida em que se movimentam pela galáxia, mas elíptico e a uma velocidade inferior às das demais regiões.

Os pesquisadores atribuem estes movimentos às ondas expansivas de densidade espiral, que tomam gás de uma órbita circular, o comprimem para formar estrelas e originam uma nova órbita elíptica.

Estes processos, segundo explicam os cientistas, contribuem para reforçar a estrutura espiral da Via Láctea.

A equipe sugere ainda que a galáxia tem quatro, e não dois braços, de gás e pó em espiral, nos quais se formam estrelas.

MIT Cria Modelo 3D da explosão de uma ESTRELA



Astrônomos do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, na sigla em inglês) anunciaram que recriaram pela primeira vez um modelo em 3D dos momentos seguintes à explosão de uma estrela, o que pode ser uma boa ferramenta para se estudar melhor o processo.

Os especialistas recolheram informações de dois telescópios orbitais da Nasa - Chandra, de raios-X, e Spitzer, que obtém imagens pela detecção de radiação infravermelha ou de calor - e de telescópios na superfície da Terra.

Eles utilizaram técnicas de obtenção de imagens normalmente empregadas na área médica para criar um holograma da supernova Cassiopéia A. As supernovas são corpos celestes brilhantes surgidos após as explosões de estrelas e que, com o tempo, acabam perdendo a luminosidade.

Haley Gomez, da Universidade de Cardiff, no País de Gales, disse que o modelo oferece "uma visão surpreendente da explosão original de uma estrela".

A imagem mostra jatos na forma de discos saindo da estrela quando ela explode.

Os astrônomos já sabiam das emanações das estrelas, mas a estrutura no formato de disco é uma nova descoberta.

A equipe internacional usou imagens de raio-X e infravermelho para criar a visualização e ter uma compreensão mais completa do que acontece na explosão.

A Cassiopéia A é uma supernova - resultante de uma estrela que, acredita-se, explodiu há 330 anos.

Gomez disse que a recriação é "realmente extraordinária".

"Astrônomos e o público estão acostumados a ver imagens 'achatadas', com duas dimensões."

"Agora nós podemos visualizar um objeto a 11 mil anos-luz por ângulos diferentes."

"Nós sempre quisemos saber como as peças que vemos em duas dimensões se encaixam entre si na vida real. Agora podemos ver por nós mesmos com este 'holograma' de restos de supernova", disse Tracey DeLaney, chefe da equipe de pesquisadores.

No vídeo, liberado pelos astrônomos, a região em verde é, na maioria, ferro, observado através de raios-X. A região amarela é uma combinação de argônio e silicone vistos por raios-X, meios óticos e infravermelho, incluíndo jatos de silicone. A região vermelha é de resíduos frios vistos por infravermelho. Finalmente, o azul revela uma onda externa resultante da explosão, detectadas em mais evidência por raios-X.

quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

Qual a utilidade do filtro de Bayes?

filtro bayesiano é o processo de usar métodos estatísticos para classificar documentos por categorias. O filtro de Bayes foi definido depois do documento de Paul Graham,Plan of Spam,  e transformou-se num mecanismo popular para distinguir um e-mail ilegítmo conhecido como spam de um e-mail legítimo.

Muitos programas de e-mail como Mozilla Thunderbird utilizam a filtragem de spams por meio do método Bayesian.

 O filtro bayesiano utiliza o Teorema de Bayes , no contexto do Spam, diz que a probabilidade que um email

 seja um Spam, percebido em determinadas palavras dentro dele, é igual à probabilidade de encontrar aquelas determinadas palavras  no e-mail de Spam, cronometrando a probabilidade que todo e-mail 

é Spam, dividido pela probabilidade de encontrar aquelas palavras em qualquer e-mail:


As palavras particulares têm probabilidades particulares de ocorrer no e-mail do Spam e no email legítimo. Por exemplo, a maioria dos usuários de email encontrarão freqüentemente a palavra Viagra no email de Spam, mas verão raramente no e-mail legítimo. O filtro não sabe das probabilidades adiantado, o usuário terá que orientá-lo, treinando o filtro a excluir automaticamente as probabilidades em sua base de dados.

Thomas Bayes

Considerando a sua imensa importância atual, sabemos pouco sobre Thomas Bayes. Ele foi um reverendo presbiteriano que viveu no início do século 18 (1701?-1761) na Inglaterra. Estudou teologia na Universidade de Edimburgo (Escócia), de onde saiu em 1722. Em 1731 assumiu a paróquia de Tunbridge Wells, no condado de Kent, a 58 km de Londres. No mesmo ano apareceu na Inglaterra um livro anônimo – hoje creditado a Bayes – chamado Benevolência divina. Cinco anos depois, publicou seu primeiro e único livro de matemática, chamado The doctrine of fluxions (A doutrina dos fluxions) – o nome fluxionfoi dado pelo matemático e físico Isaac Newton (1642-1727) para a derivativa de uma função contínua (que Newton chamava de fluent). 

Com base nesse livro e em outras possíveis contribuições sobre as quais não temos dados precisos, Bayes foi eleito em 1752 para a Royal Society, sociedade científica britânica criada em 1645. Dois anos após sua morte, um amigo, o filósofo Richard Price (1723-1791), apresentou à Royal Society um artigo que aparentemente encontrou entre os papéis do reverendo, com o nome 'An essay towards solving a problem in the doctrine of chances’ (‘Ensaio buscando resolver um problema na doutrina das probabilidades’). Nesse artigo estava a demonstração do famoso teorema de Bayes. Price acreditava que o artigo fornecia uma prova da existência de Deus. Após sua publicação, o trabalho caiu no esquecimento, do qual só foi resgatado pelo matemático francês Pierre-Simon de Laplace (1749-1827), que o revelou ao mundo.

segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

O que é uma Fita de Moebius



Uma fita de Möbius é um espaço topológico obtido pela colagem das duas extremidades de uma fita, após efectuar meia volta numa delas. Deve o seu nome a August Ferdinand Mobius, que a estudou em 1858.


Möbius estudou este objeto em 1858 tendo em vista a obtenção de um prêmio da Academia de Paris sobre a teoria geométrica dos poliedros. Johann Benedict Listing já tinha trabalhado sobre o mesmo objecto uns meses antes. A importância do estudo deste objecto nesta época prendia-se com a noção de orientabilidade, que não era ainda bem compreendida. O facto de tanto Möbius como Listing terem estudado alguns anos antes com Carl Friedrich Gauss sugere que a gênese destas ideias poderá ter vindo deste matemático.






Neste estudo, Möbius introduziu também a noção de triangulação no estudo de objectos geométricos do ponto de vista topológico. Möbius apenas publicou o seu trabalho em 1865, num artigo intitulado Über die Bestimmung des Inhaltes eines Polyëders.


Até o grande mestre Escher retratou a Fita de Moebius

Mesmo com Crise Financeira Ano Internacional da Astronomia vai EMPOLGAR





O Ano Internacional de Astronomia (IYA 2009), promovido a nível mundial pela União Astronómica Internacional (IAU), tem o apoio da UNESCO e pretende celebrar os 400 anos da primeira utilização do telescópio para observações astronómicas por Galileu, estando para já envolvidos mais de 130 países.
"O meu papel como coordenador global do IYA 2009 é dar enquadramento aos diversos coordenadores nacionais, que são os que realmente vão fazer com que as coisas aconteçam no terreno, mas também com os 'media-partners' e os diversos institutos e agências espalhados pelo Mundo", explicou à Lusa o responsável. "A astronomia já vive anualmente de palestras e de acções concretas com as comunidades, mas com esta iniciativa queremos mostrar uma perspectiva global de colaboração internacional na comunicação de ciência ao público em geral", referiu Pedro Russo, para quem "este ano será de facto especial". Alguns projectos satélites têm vindo a ser preparados ao longo deste último ano, como o Portal Global de Astronomia, previsto para Janeiro, mas que provavelmente só estará online em Março. "Esse portal é direccionado para o público geral, mas será especialmente interessante para os jornalistas, porque a ideia principal é agrupar todos os comunicados de imprensa, imagens, vídeos e animações, que vão saindo por vezes diariamente, de uma maneira fiável como numa agência de notícias", salientou o astrónomo planetário. "Será igualmente, uma espécie de páginas amarelas de toda a comunidade astronómica cientifica", disse. Pedro Russo começa todos os dia a trabalhar por volta das 7h30 e quando repara que o dia já lhe tomou bastante tempo, ainda se lembra - porque faz questão de trabalhar assim, afirma - que do outro lado do Mundo "há gente a acordar, e que espera receber uma resposta do coordenador mundial para o IYA 2009", tentando por isso minimizar o tempo de resposta que a preparação deste projecto obriga. Outra iniciativa que foi desenvolvida a pensar no IYA 2009, o Galileu Scope, é uma espécie de 'Magalhães' da astronomia, um telescópio que vai estar disponível para escolas, planetários e centros de ensino em todo o Mundo por cerca de oito euros. "Para além de um telescópio de observação, será um instrumento de descoberta, para ensinar física astronomia ou óptica, numa sala de aula, como ferramenta didáctica". A coordenação global do IYA 2009 é apoiada financeiramente pelas diversas instituições ligadas à astronomia, bem como pela UNESCO, estando naturalmente dependente da situação económica geral. "Temos sentido a nível das comissões nacionais, indicadores, de que houve alguns cortes a nível de financiamento na divulgação e educação da ciência, pelo que se vão reflectir em alguns programas", reconheceu Pedro Russo, mas em contrapartida, "curiosamente", a União Europeia aumentou o investimento em ciência e tecnologia para a Agência Espacial Europeia, para os próximos anos em cerca de 15 por cento. Globalmente vão acontecer eventos "quase diariamente" em vários pontos de cada país, estando a abertura oficial programada para o dia 15 de Janeiro na sede da UNESCO em Paris, onde "estarão representadas mais de 100 delegações dos diversos países, algumas personalidades e cerca de uma centena de licenciados em astronomia", salientou. Em Portugal, a abertura oficial do IYA 2009 está agendada para o dia 31 de Janeiro, na Casa da Música, no Porto, com um espectáculo da Orquestra Clássica do Porto, que irá tocar algumas "peças inspiradas em motivos astronómicos", referiu o coordenador global do Ano Internacional de Astronomia.

domingo, 4 de janeiro de 2009

Queima de Fogos em Copacabana fez homenagem a Galileu



A tradicional queima de fogos na Praia de Copacabana, na zona sul do Rio de Janeiro, para marcar o Réveillon carioca, contou com elementos que lembram o Ano Internacional da Astronomia, celebrado em 2009. A data é uma homenagem aos 400 anos desde as primeiras observações telescópicas dos corpos e fenômenos celestes realizadas pelo cientista italiano Galileu Galilei, em 1609.


De acordo com o diretor de Operações da Empresa de Turismo do Município do Rio de Janeiro (Riotur), Bruno Matos, o público acompanhou diversas imagens sobre o tema, como estrelas, cometas e planetas que serão formadas no céu pelos fogos de artifício. Para o espetáculo, foram utilizadas mais de 24 toneladas de explosivo e 19,6 mil bombas. O show de fogos durou aproximadamente 20 minutos. “Será a queima de fogos mais bonita já vista em Copacabana”, afirmou Matos.Os cerca de 2 milhões de pessoas participaram da festa em Copacabana assistiram também a shows musicais e a apresentações de escolas de samba. O palco terá oito lados e 7 metros de altura, o que, segundo os organizadores, permitiu que o público acompanhe as apresentações de qualquer lado da estrutura, montada na altura da Rua Figueiredo de Magalhães. Além disso, quatro telões espalhados pela orla levaram a festa a quem estiver mais distante.De acordo com o diretor de Operações da Riotur, na noite do Réveillon funcionaram no local três postos de saúde, 24 Unidades de Tratamento Intensivo (UTIs) móveis e 300 banheiros químicos. No que diz respeito à segurança, Bruno Matos também garantiu que a estrutura montada foi suficiente. Segundo ele, 20 torres de observação com câmeras permitiram o monitoramento da região por policiais militares e civis, que atuaram, em parceria com homens da guarda municipal, na orla e nas ruas próximas. A ação também interditou 35 vias no entorno do local da festa. Além de Copacabana, houve queima de fogos na Barra da Tijuca, zona oeste da cidade, no Piscinão de Ramos e na Penha, na zona norte, e na Ilha de Paquetá. Em outros pontos, como a Praia da Bica, na Ilha do Governador, também na zona norte, na Pedra de Guaratiba e em Sepetiba, ambas na zona oeste, houve shows com apresentações musicais.

2009 é o ano Internacional da ASTRONOMIA



Frases como 'A Terra é azul' ou 'Este é um pequeno passo para um homem, mas um grande passo para humanidade (em referência ao homem ter pisado na lua)' são apenas dois exemplos rápidos que vêm à mente de qualquer pessoa ao se citar uma palavra: Astronomia. Em 2009, celebra-se o ano da 'ciência do céu', derivada de um mais antigos hábitos do ser humano (olhar para as estrelas em busca de entender melhor o universo).
O Ano Internacional da Astronomia é uma iniciativa promovida em âmbito mundial pela União Astronômica Internacional e a ONU (Organização das Nações Unidas), com o apoio da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura). A mobilização se coloca como uma celebração global desta ciência e da sua contribuição para a sociedade e para a cultura, estimulando o interesse não só em Astronomia, mas de todo fazer científico em geral, com particular incidência nos jovens. Há uma série de eventos e comemorações, envolvendo 129 países, que serão realizados durante o ano. O Brasil realiza em agosto, no Rio de Janeiro, a 27ª Assembléia da União Astronômica Internacional, com a reunião de cerca de três mil astrônomos de todo o mundo. Eles apresentarão e discutirão os temas mais importantes da ciência. O astrônomo Nelson Travnik, coordenador do Observatório Astronômico de Piracicaba, explica que pesaram várias razões para a escolha de 2009 como Ano Internacional da Astronomia. Em 2009, comemora-se os 400 anos da utilização, pela primeira vez, de um telescópio de observação do céu, por Galileu Galilei; os 200 anos da descoberta das 1ª e 2ª leis do movimento planetário pelo matemático e astrônomo alemão Johannes Kepler; e os 40 anos da descida do homem na superfície lunar. Galilei empregou, pela primeira vez, uma luneta e provocou, com suas descobertas, a maior revolução científica e filosófica já ocorrida no mundo. Kepler, ao descobrir as famosas leis do movimento dos planetas ao redor do sol, criou a base da Astronomia e, com mais sorte, teria descoberto a gravitação universal. Já a missão tripulada Apollo 11 representou um estrondoso sucesso das missões espaciais tripuladas e foi transmitida ao vivo pela televisão para mais de um bilhão de pessoas. FascínioA Astronomia é a ciência do céu, espaço que abrange absolutamente tudo que existe 'acima da gente'. E o céu é o incomensurável, aquilo que não tem fim. É o local que abriga o conjunto infinito de estrelas, formado por todos aqueles pontinhos luminosos difíceis de serem enxergados a olho nu, mas que têm - grande parcela - tamanho maior que o sol. É ainda o céu do sistema planetário, de nomes tão conhecidos como Júpiter, Saturno, Marte, Vênus, Urano, Netuno, Mercúrio, sem esquecer do 'rebaixado' Plutão. É também a ciência que explica o aparentemente inexplicável, com teorias científicas sobre buracos negros, explosões cósmicas, estrelas cadentes e cometas. É, enfim, a ciência que explica o planeta terra, corpo celeste que se mantém isolado dos demais por um campo gravitacional imenso no espaço, girando e gerando eternamente os dias e as noites em diferentes horários em diferentes partes do mundo. É a ciência que flerta com o infinito e a eternidade, capaz de aproximar as origens da vida ao mesmo tempo em que realiza o prognóstico dos mais distantes desdobramentos para o futuro. O astrônomo Gerson dos Santos entende que a astronomia é a mais intrigante das ciências, por proporcionar às pessoas um arsenal de informações sobre astros, estrelas, meteoros, só possíveis de serem imaginadas por escritores de ficção científica. 'Quer algo mais fantástico do que a curiosidade de saber se estamos sozinhos?', questiona. Explorar o céu é ir a fundo no mar de especulações metafísicas, que envolvem desde assuntos sobre discos voadores até mesmo o fato do céu ser a moradia final dos que têm boa fé. 'A Astronomia explora os limites do céu', diz. Ou melhor: demonstra que para o céu não há limites. IntegraçãoA complexidade necessária para se atingir a difícil tarefa de compreensão do universo e da sua evolução não é pequena e exige uma necessária integração com técnicas de muitas disciplinas, incluindo a Física, Química, Biologia, Geologia, Matemática e Informática. 'Somente com a ajuda de todo este aparato é possível se chegar a novas descobertas. A astronomia é uma ciência capaz de fascinar a todos e, por conta disso, precisa de um suporte digno de sua função', diz Santos. Qual função? 'Decifrar o infinito'.

Malhação gerando energia ELETRICA


Uma academia de ginástica nos Estados Unidos instalou bicicletas ergométricas que reciclam a energia gerada pelos clientes.
The Green Microgym, em Portland, no Estado americano de Oregon, conectou um gerador às rodas das bicicletas que transforma a energia cinética em elétrica. Ela é depois armazenada em uma bateria que coloca em funcionamento os televisores, esteiras e até um liquidificador que a academia usa para oferecer sucos e vitaminas à clientela.
A tecnologia que permite a geração de eletricidade a partir de aparelhos para ginástica não é nova. Há décadas as pessoas usam dínamos em suas bicicletas para acender as luzes traseira e dianteira.
A academia usa o mesmo princípio, diz Adam Boesel, proprietário do Green Microgym. "Se você pensar em uma academia, quase todos os aparelhos para exercício têm uma roda que gira e, se você pode girar uma roda você pode produzir eletricidade, assim como um moinho produz eletricidade."
A academia se aliou a uma empresa do Texas, Henry Works, que trabalha no desenvolvimento de um artefato chamado Dínamo Humano.

Astronautas da Columbia sabiam da Possível MORTE



Os sete astronautas do ônibus espacial Columbia, que se desintegrou em seu retorno à Terra em 1º de fevereiro de 2003, souberam que iriam morrer 40 segundos antes do contato da nave com a atmosfera terrestre, revelou a Agência Espacial Americana (Nasa) em um relatório.
Durante esses segundos, os astronautas avisaram que já não controlavam mais o ônibus espacial, cujos destroços caíram sobre uma extensa região do Texas, indica o documento, de 400 páginas.
"Assim que o módulo da tripulação explodiu, acabaram-se as chances de eles sobreviverem com os recursos disponíveis", destacou a Nasa.
O desastre ocorreu quando o Columbia retornava de uma bem-sucedida missão científica de 16 dias e se preparava para aterrissar no Centro Espacial Kennedy, na Flórida. A tragédia matou o comandante Rick Husband, o piloto Willie McCool, o comandante de carga Michael Anderson e os especialistas David Brown, Kalpana Chawla, Laurel Clark e Ilan Ramon, este último o primeiro astronauta israelense.
Segundo as investigações, o desastre foi causado por um pedaço de espuma isolante, que, ao fazer um buraco no lado esquerdo da nave, permitiu a entrada de ar quente no Columbia e, conseqüentemente, causou sua destruição. O furo na fuselagem do ônibus espacial ocorreu durante o lançamento, mas os danos nunca foram detectados durante a missão, diz o relatório oficial.


O documento da Nasa também revelou que outros equipamentos dos astronautas tinham problemas, alguns dos quais sequer estavam sendo usados na hora da tragédia. Os capacetes, os trajes espaciais e até as correias para prender os astronautas terminaram causando "o trauma" que matou a tripulação, indica o documento, baseado na análise de vídeos, na perícia dos destroços do Columbia, em conclusões médicas e em simulações por computador.
Segundo os especialistas, que demoraram quatro anos para concluir o relatório, todos os sete astronautas usavam seus trajes espaciais, um deles estava sem capacete, três não usavam luvas e nenhum havia descido o visor antes da queda de pressão dentro da cabine.
O relatório diz ainda que, depois que a tripulação perdeu a consciência por conta da despressurização da nave, as correias que deveriam prender os astronautas pelo ombro não funcionaram. Como resultado, os tripulantes ficaram expostos ao movimento rotatório do Columbia, presos apenas pelas pernas. Além disso, os capacetes se soltaram da cabeça dos astronautas.
"Conseqüentemente, os tripulantes, inconscientes ou já mortos, sofreram um trauma letal, devido à falta de apoio (...) na parte superior do corpo", declarou a Nasa.
Porém, segundo a agência, nada que tivessem feito nesse momento seria capaz de salvar-lhes a vida, segundo o relatório. A queda de pressão na cabine "ocorreu tão rapidamente que os membros da tripulação ficaram incapacitados em poucos segundos e antes de conseguirem configurar o traje para se protegerem da despressurização da nave", conclui o relatório.

Ioga no auxílio aos Vestibulandos



Nessa temporada de provas, alguns vestibulandos usam a ioga e outras terapias como alternativa para evitar o estresse do vestibular. Segundo os especialistas, técnicas de relaxamento podem ser a válvula de escape para aliviar a tensão durante a maratona de exames.
- Buscar ajuda nas flores pode ser uma boa saída. O uso de florais é aconselhável para desbloquear a criatividade, aumentar a confiança e a concentração, acabar com a preguiça e estimular o raciocínio dos candidatos - recomenda a terapeuta holística Laura Astrildi.

De acordo com Laura, para cada sintoma existe um floral específico.
- Para combater o estresse, a ansiedade e melhorar a autoconfiança, dependendo do paciente costumo recomendar o passiflora, que é um floral calmante. Com ele, a tensão vai embora - afirma Laura, acrescentado que o aluno deve primeiro consultar com um especialista.
Para o professor de educação física, Julio Castro, a ioga também é um bom caminho para manter a tranqüilidade de quem vai fazer o exame.
- Nas aulas fazemos exercícios de postura e relaxamento, o que ajuda a aliviar o estresse de quem está em época de prova - diz.
Julio recomenda o exercício de inversão para aliviar as tensões do corpo.
- Deite as costas no chão e coloque as pernas para cima, de cinco a dez minutos. A coluna se ajusta e a circulação sangüínea é estimulada - ensina.

Alguns vestibulandos preferem usar a massagem para relaxar e manter o ritmo de estudos antes da prova. A anti-estresse, por exemplo, trabalha com as costas e com o rosto porque são os locais de maior acúmulo de tensão. Ela ajuda a descontrair os músculos, melhora a circulação e equilibra o organismo.
- Faço até três sessões de massagens por semana para relaxar e aliviar a tensão de prestar concurso para três universidades - diz.
Técnicas de aromaterapia também prometem ajudar a ficar mais tranqüilo e a memorizar a matéria. A aromatóloga Vânia Salles dá algumas dicas para os vestibulandos:
- Para memorizar o conteúdo que tem mais dificuldade o candidato deve fazer uma trouxinha com raspas de casca de limão, embrulha com uma gase molhada ou lencinho de papel e colocar ao lado do caderno enquanto estuda. Na hora da prova, também deve levar a trouxinha e colocar na mesa. O cérebro vai ser despertado e vai automaticamente relacionar as informações àquele aroma - ensina.
De acordo com a especialista, o cheiro aguça a atenção e ajuda a associar informações. Para se acalmar na hora da prova, aroma de casca de laranja ou óleo essencial de lavanda são os mais indicados pela aromatóloga.
- Grávidas ou pessoas com pressão baixa não devem usar a lavanda - diz Vânia.